quarta-feira, 1 de Abril de 2009

O TERROR ESTÁ DE VOLTA NA GUINÉ-BISSAU

Os acontecimentos recentes de pancadaria na capital guineense, revelam um estado de desmando político de actual governo e revela uma conivência sórdida, de um primeiro-ministro refém dos militares.
Estamos a retroceder no tempo. Só no curto período do reino de Ansumane (em plena normalização das instituições democráticas) que a Guiné conheceu uma violência tão patética e estúpida contra figuras públicas. Nino era milimétrico, actuava sem actuar, o que quer dizer que não tinha intenção de aniquilar a liberdade de opinião dos seus adversários. O Dr. Francisco Fadul hoje espancado é um dos exemplos de como Nino tratava os seus adversários.
O mal guineense é que o activismo jornalístico e de ideias, têm reduzido o país à imagem do seu presidente ignorando as outras vertentes da política, tudo por causa das inimizades pessoais. Naturalmente, hoje quem se ri dos guineenses é a alma infernal de Nino Vieira.

13 comentários:

Anónimo disse...

Meu caro permita-me discordar com o seu último parágrafo apenas no que toca ao termo “alma infernal” empregue. Pois acredito que os que estão a viver no inferno, (criado por ele Nino e seus acólitos) somos nós Guineenses.
Mas é muito interessante esta sua pequena nota, se não for por mais, para lembrar aqueles que sempre consideraram que todos os males daquele País eram da autoria moral e material do Nino Vieira, isto sem o querer ilibar porque é impossível.
Os espancamentos do Dr. Pedro Infanda e o Dr. Fadul é apenas o princípio duma era Déjà vu.
Cadogo Jr. está apenas preocupado com as suas alianças com as novas chefias militares e nenhum Estado de Direito qualquer lhe preocupa, enquanto senhor e dono do poder-político absoluto.
Virão aí as eleições, esperemos sentadinhos num Kanapé se possível, para ver e assistir o espectáculo do Sr. Kumba Yalá e seu acólitos apoiantes na maioria militares Balantas como sempre.
E, dirão depois os iluminados de sempre que foi a “alma infernal” do defunto Djom Bernardo….
Déjà vu.

Anónimo disse...

Parece que o guardo voltou a ladrar na terra de anonimato. Criticam a outros de anonimato e produzem lixos sob forma de anonimato. Depois de Nino têm que encontrar outro inimigo, quem sabe, talvez tu Valentim. Quem afirma a frase seguinte desconhece por completo a realidade guineense. "O mal dos guineenses reiniciou com o regresso de Nino Vieira ao país, da forma como foi, provocando nessa altura uma clara cisão entre os poderes militar e político, com a óbvia ascensão do primeiro sobre o segundo, para além de ainda causar divisões na própria fileira castrense. Nino e Tagmé deram uma clara demonstração aos militares, que desautorizar um governo democraticamente eleito, em pleno século XXI, pode não ter qualquer consequência, tal como o acto do seu regresso triunfal e mercenarista não teve".

Anónimo disse...

Divorcio na Kumtum. O lik e todos os artigos de Valentim foram retirados do contributo. Será que o escreves nãa está agradar ao teu chefe????Lalalalalala.
Democratas e amantes de liberdade de expressão??? Vamos ver se é desta vez que vais responder ao nandinho. Umaro Djau estás de folga agora é o teu turno levar com o tipo.

Inácio Valentim disse...

Agradeço o aviso/alerta. Mas não se esqueçam que o "CONTRIBUTO" é uma "propriedade privada", ainda que actue no "dominio público" guineense,(ciberneutico).
Valentim

Anónimo disse...

Meus Srs e minhas Sras, a Guiné não tem solução se não forem desarmados os monstros, estúpidos e desordeiros que povoam os quartéis, formando Homens com elevado sentido cívico e moral para representarem umas forças armadas dum País. Enquanto alguns alienígenas que povoam o " Contributo" deitaram foguetes e abriram champanhe com a eliminação física do Nino Vieira, agora têm motivos de sobra para explicarem a nós e ao mundo porquê que as coisas estão a encaminhar para este sentido: Fim do Estado da Guiné-Bissau.
Quem mandou espancar estes Srs, foi a alma do Nino Vieira?
Não se pode nem se deve temer confrontação de ideias neste momento “mais” difícil que o País está a atravessar. Excluir todos os artigos do Dr. Inácio Valentim naquele Site que até aqui tentou demonstrar ao mundo e aos Guineenses a superioridade intelectual na abordagem da situação político-social da Guiné-Bissau, apregoando a liberdade de expressão e de opinião é um acto de desespero daqueles que têm agora que arranjar uma outra explicação para o estado actual do País, pois bater no morto é pura cobardia.

Anónimo disse...

O contributo só consegue sobreviver com base no mediatismo. Depois do Dr. Umarao Djau, o dono do contributo decidiu trazer para a esfera pública umas correspondências pessoais. "Guiné que imagem". Agora é a vez de buscar outro mediatismo retirando do sit todos os artigos, na minha humilde opinião, os melhores de sempre, não somente na independência mas sobretudo na profundidade. Querem protagonismo mas eu penso que se lhes deve dar. Deixa-lhes, não passam do mesmo.
Tenho dito2

Anónimo disse...

É o drama do espaço púbico hehe.

Anónimo disse...

O mais do mesmo. Eu, eu, eu... A minha pergunta é: quando é que este homem vai saber aceitar as ideias e posições diferenes.
Vitimismo e choramigão.

Inácio Valentim disse...

Podemos ter as nossas divergências de opinião ou até mesmo pessois, mas não podemos negar que a existência do "CONTRIBUTO" proporcionou uma nova era e uma viragem na realidade política, militar e institucional do país.
Temos que saber fazer diferença entre a divergência de opinião e a animosidade compulsiva. Aqui naturalmente publicaremos as criticas de conteúdos e não os ataques pessoais.
Valentim

Didinho disse...

Em qualquer língua ou dialecto, existem formas de conjugação dos verbos, assim como pronomes pessoais para a utilização correcta das formas verbais.
Quando determinado assunto é de âmbito pessoal, emprega-se a 1ª pessoa do singular e a forma conjugal correspondente.

O Didinho não deve falar em nome de outros para assuntos pessoais, mas fala no plural, quando se refere ao Projecto Guiné-Bissau: CONTRIBUTO, ou em abordagens relativas aos guineenses.
Até nisto meus senhores, devem aprender, têm que aprender, caso queiram perceber realmente o que está nos conteúdos dos textos do Didinho.

Se o Didinho fosse tão arrogante ao ponto de querer protagonismo ou brilho pessoal, jamais haveria tanta gente a colaborar com o Projecto Guiné-Bissau: CONTRIBUTO!

Já repararam quantos guineenses e amigos da Guiné-Bissau estão lá representados?

Qual é o outro espaço de guineenses que tem tamanha participação?

Se o Didinho não aceitasse ideias e opiniões, publicaria esses trabalhos no site www.didinho.org?

Quantas vezes alguém viu o Didinho criticar ou condenar os trabalhos, as ideias e opiniões dos colaboradores do Projecto CONTRIBUTO?

Deixem de ser intriguistas e já que não são capazes de produzir opiniões dignas do termo, aprendam com os que sabem!

Anónimo disse...

“RECORRER A CITAÇÕES FILOSÓFICAS NÃO É A MESMA COISA QUE PRODUZIR OPINIÃO”.

Lá está. Quem deve enfiar a carapuça?

É Ele no seu melhor!
Depois do cunhado (o tal jornalista feito em 45 dias) ter sido humilhado pelo humilde e ilustre Úmaro Djau, é chegado a hora de mostrar este indivíduo que talvez por se limitar ao 2º ano do curso complementar (tal como Eu), nunca foi capaz de colocar os seus pontos de vista com a abrangência necessária que se impõe.

Quem ao longo de todo esse tempo reduziu a Guiné à dimensão do Sr. Nino Vieira, é aquele que está muito limitado no exercício de análise político-social necessário.
Quem identifica a história da Guiné-Bissau a partir do 14 de Novembro, está longe de ser o que julga que é.

São conhecedores e expositores da verdade verdadeira da nossa terra aqueles que apontam as mortes dos Paulo Correia, Viriato Pam etc., apagando da história Tchico Té, Malam Sanhá, ou os mais de cinco mil Guineenses enterrados na matas de Coburnel, Mansabá etc…
É sincero e de elevada honestidade intelectual, esse Sr. e seus míopes seguidores ao não reconhecerem que foi Amílcar Cabral que na mesma linha de Sekou Turé introduziu a violência no seio do paigc, com julgamentos populares e assassinatos em público? Sabem esses compatriotas o que foi o famoso Congresso de Cassacá e o que se passou a seguir?
Façam-me esquecer, a ver se conseguem, do assassinato em público do régulo Baticã Ferreira!!!
Digam ao ainda vivo Kankoila Mende que não foi Cabral quem mandou assassinar todos os seu colegas da FLING que, voluntariamente integraram as fileiras do paigc para participar na luta de libertação nacional.
Leiam os depoimentos do falecido Dr. Pinto Bull.
Digam. Digam a verdade e merecerão o respeito da sociedade.
Não será gentes da estirpe do Côte, da famosa esquadrão de morte dos reputados Buscardini, Dimas, Romão Correia, Idrissa Djaló, Carlitos Barros “Ho-Chi-Min”etc que logo após a independência espalharam o terror na Guiné assassinando à mando do Luís Cabral, Txutxo Axom, Lourenço Gomes etc. milhares de Guineenses sem julgamentos, que aparece agora como exemplo de cidadania e integridade moral para acusar quem quer que seja, do que quer que seja.
Devia estar mas é calado, ou, à semelhança do caso de Rwanda, pedir desculpas aos familiares, só para citar, dos José Francisco Dias, Paulo Lomba, Luís da Silva (Tchalumbé), Rui Semedo, Ernestina da Silva, Sábado Monteiro, Obeara Sambú,etc. (esta Sra cujo neto não obteve a resposta do pedido que solicitou naquele Site).

Há até aquele que nem sabe distinguir que na vida há males menores, mas este é deixá-lo aí na ilusão da verdade inconsequente. A verdade que não nos libertará.
Oxalá que as mortes do Tagmé e Vieira, sejam males menores para aquele povo que está farto de sofrer.
Há mais Guiné para alem do Nino Vieira, e, é esta Guiné que devemos ressuscitar.

Didinho disse...

Para o anónimo que cita o meu texto “RECORRER A CITAÇÕES FILOSÓFICAS NÃO É A MESMA COISA QUE PRODUZIR OPINIÃO” apenas pergunto por que espera para começar a escrever o que sabe sobre a Guiné-Bissau, de forma a que outros também possam questionar a verdade que diz conhecer ou saber?

Só sabe escrever comentando de forma nitidamente odiosa o Didinho, que apenas faz o que qualquer cidadão livre e consciente deve fazer?

Por acaso o Didinho tem que escrever tudo o que sabe e o que não sabe sobre a Guiné?

Onde estão os seus pontos de vista para além de comentários mesquinhos?

Passe bem, pois da minha parte não há mais tempo a perder.

Certamente irá continuar a ler artigos meus, quer goste ou não, mas de certeza que eu não irei os seus!

Produza, dê-se a conhecer e merecerá respeito e consideração.

Armando Quadé disse...

Ohhh Didinho, seriamente, a tua paranoia visa o Inacio so justifica a tua inseguranca/teus atitudes egocentrista e de ditador.

Se nao, porque apareces aqui (sem cara de vergonha) depois de retirar todos os artigos e link de Inacio no teu site!!!

Onde esta o civismo que tanto queres ensinar os Guineenses?

Oi Inacio, abrigado pela forma como tens estado a mostrar responsavel e maduro (classy attitudes).

Armando Quadé
armandoquade@gmail.com